quinta-feira, 25 de abril de 2013

Medrosa

Eu tenho esse velho hábito de questionar, reclamar e fugir. Eu crio muros, eu facilito, eu complico e eu desisto. Me vejo nessa vida cheia de esperanças porém pobre de expectativas. Sinto medo de não conseguir ir mais longe amanhã, sinto medo de acabar sozinha, eu temo ser tão fraca ao ponto de não conseguir chegar aonde tenho que ir.
Minha mãe, minha irmã, minha avó... meu pai. 
Eu não sei se vou conseguir corresponder às expectativas, mas eu morreria tentando. 
O que eu não entendo, é o porquê de estar tão angustiada, tão desanimada, amedrontada e chorosa.
As vezes faço planos maiores do que eu posso realizar, eu devo abrir mão de alguns sonhos ? Eu devo seguir adiante ? Como eu devo ser ? Estou certa ? Errada ? Por que eu espero tanto por pessoas que nunca irão voltar ? Por que eu amo pessoas que facilmente me deixam ? E por que eu continuo a amá-las ?
Eu tenho medo dessa mudança repentina de amores, seja qual for o tipo de amor.
Eu sou constante, eu sou racional e eu sou insegura, porque tudo a minha volta é muito instável, e eu não sei por onde devo começar.