quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Momento de fraqueza

Hoje é 29 de dezembro... 

Acho que foi um dos piores dias desse mês que nunca acaba. 
Engraçado como as pessoas fazem planos para o próximo ano, 
eu não vejo como um recomeço, vejo apenas como o caminho 
voltou a ficar longo, e de como é duro seguir adiante.
Hoje eu chorei, vi meu coração desfarelar mais uma vez, 
vi meu rosto contorcido em uma dor que tenho tentado esconder, 
e procurei caminhos e alternativas para fugir, ficar longe desses 
sentimentos que ainda me machucam, mas eu não encontrei nada.
Senti vontade de sair correndo para ele,de prendê-lo no meu abraço,
pensei na possibilidade de mostrá-lo o quanto eu o amo mais do que ela,
então me toquei, novamente eu estava sendo idiota e ingênua o bastante para
acreditar em um coração que não bate dentro dele.
O que eu fiz de errado? 
O que eu fiz de tão errado?
Eu mudei, me arrisquei, ouvi, suportei, me calei, fiz tantas vontades dele...
Por quanto tempo mais vou pagar pelos meus erros?
Por quanto tempo mais, vou suportar essa dor?
Por quanto tempo mais serei a tal idióta dessa história?

Sobre Aya


Aos trêze anos era conhecida como a roqueirinha, aos 15 como a nerd e aos 19, acabou perdendo suas inúmeras identidades. 
Realidade cruél, veio juntamente com o tempo e levou tudo aquilo que um dia ela construira em suas folhas de papél. Seu mundo antes rico em criatividade, hoje morre em tons cinzas e palavras vazias. A cada dia mais longe das coisas e pessoas que a faziam sorrir, a cada dia mais convencida de que não se pode confiar nas pessoas. Até pouco tempo atrás, ela acreditava em pessoas boas e ruins, hoje ela está convencida de que a maldade surge quando é conveniente. 
A tal Maiara, passou boa parte de sua vida sem acreditar no amor, até que um dia, uma certa pessoa a fez mudar de idéia, queria eu poder dizer que eles tiveram um final feliz, mas do contrário, essa breve história só fez essa menina ver o quanto ela tinha razão em fugir dessas emoções instáveis.
Hoje em dia, essa garota procura por um caminho para seguir, não sabe bem para onde ir, mas sabe que não pode perder mais tempo. Sua liberdade a chama, e ela não pode ignorar esse chamado mais do que já o ignorou. 
Amigos e amigas, sejam bem vindos, mas não se surpreendam caso  ela suma de repente, afinal, ela precisa se perder as vezes para poder se achar.